CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Marco Florentino
Em prosa e verso
Textos

UM EXEMPLO DE VIDA
UM EXEMPLO DE VIDA

            Parabéns Joel Paviotti pela sua história, sua origem e da sua família, particularmente sua extraordinária mãe. Envie meu abraço de admiração e respeito à Professora e enfermeira Aparecida Donizete pela grandiosa história de vida dela.
            Seria uma grande honra para mim se um dia pudesse conhece-la pessoalmente. Ressalto também seu magnífico texto como um dos mais emocionantes que já li na vida.
            São esses brasileiros de fibra, com histórias semelhantes à dela que fazem com que eu ainda acredite no nosso povo e na sua capacidade de reagir às injustiças sociais, às discriminações de qualquer natureza e ao autoritarismo de uma elite histórica que assola de forma destrutiva o Brasil desde sua descoberta, incluindo a classe política governante e também a burguesia putrefata que fede, mesmo tendo dinheiro pra comprar perfume.
            E isso somente é possível quando se luta com a melhor e mais poderosa de todas as armas que o povo de uma nação pode contar: A EDUCAÇÃO.
            Infelizmente estamos vivendo um tempo de trevas, onde a ignorância, a intolerância e o agir grotesco são exaltados e premiados como se fossem virtudes a serem seguidas cegamente.
            Entretanto, como bom Hegeliano que sou, acredito que em breve essa ¨ANTÍTESE¨ sócio política ultra conservadora na qual estamos vivenciando como reação à ¨TESE¨ social democrata estabelecida durante muitos anos após a guerra fria, encarnada no nosso país pelo PT, resultará numa ¨SÍNTESE¨ progressista e socialmente justa que congregue todos os brasileiros do bem e de bom senso, fazendo com que essa minoria de ratos de esgotos que estão a arruinar nosso país, voltem para os pântanos fétidos e sombrios da tirania fascista, dos quais nunca deveriam ter saído.
            A seguir envio um soneto de minha autoria que retrata esse momento, onde registro, na última estrofe, todo meu otimismo citado anteriormente.
            Gostaria de pedir autorização para deixar registrado, com a devida citação da autoria, o seu maravilhoso texto no meu site: marcofloren.recantodasletras.com.br

O SILÊNCIO DA ESCURIDÃO

Quando chega o tempo da escuridão
O som do silêncio produz a semente
E o último raio de luz entoa a canção
Revelando todo desencanto da gente

A terrível visão se confunde na mente
Volta a sentir o torvo medo da solidão
As trilhas ficaram estreitas novamente
A chuva silenciosa anuncia a reclusão

Na longa noite fria começa a proibição
Pois caminhar é como atirar no escuro
Cada passo à frente fica mais inseguro

É preciso acreditar no som do coração
Nem tudo na vida é tão ruim e obscuro
Pensar otimista para enfrentar o futuro

Marco Antônio Abreu Florentino

A SEGUIR O TEXTO EM REFERÊNCIA:

Especial: Semana da Consciência Negra

Aparecida, mãe do Administrador da página.

De todas as negras e negros que gostaríamos de homenagear por aqui, essa é a mais especial. Pois foi ela que me criou e educou para que eu pudesse publicar tantas linhas da história aos nossos seguidores

A vida de Aparecida é bem próxima das de muitas mulheres negras na história do nosso país.
Filha de um pedreiro e uma dona de casa, bisneta de pessoas escravizadas, Aparecida nasceu no bairro Caixa D'água, Morro Aranha-céu, em Monte Mor , São Paulo, no ano de 1961.

Segunda filha da família, perdeu a mãe com 8 anos de idade: a genitora morreu após queda na escada de casa, ocorrida em consequência de um ataque de abstinência por falta de álcool, ela era alcoólatra. O pai, sem condições de cuidar direito da filha, por conta do penoso trabalho de servente de pedreiro, a entrega a uma família de imigrantes italianos, onde, aos 9 anos, vai morar em troca de casa, comida e constitui ali uma nova família. Nessa idade teve que parar de estudar para trabalhar em roça e em outros serviços domésticos em casas alheias.

Conciliou, na adolescência, o serviço(quase sempre de babá ou doméstica) com o supletivo, que terminou de cursar após anos sem pegar em um caderno. Com muito custo conseguiu se formar e fazer magistério, também desenvolveu o hábito da leitura, que iria acompanhá-la para sempre.

Formada no ensino regular, se casou e teve três filhos. O marido, que sofria de doenças no coração, faleceu em um infarto fulminante a deixando com 3 crianças pequenas no colo. A vida lhe trouxe mais um baque. Sozinha, com os rebentos ainda pequenos, passou a fazer bolos, salgados e fritas em aniversários, visando complementar a renda.

Como toda brasileira negra, viúva, a vida estava difícil, todos os dias trabalhava de recepcionista e faxineira em uma unidade básica de saúde, além de cozinhar em festas de aniversário em sua cidade natal.

Após a morte do marido, Aparecida passa junto com os filhos alguns meses de fome e grandes necessidades, quando se casou novamente e teve o quarto filho.

Não contente com a situação de pobreza, decidiu estudar e realizar o sonho de trabalhar na área da enfermagem. Munida de muita vontade,Aparecida trabalhava o dia todo e estudava no período noturno, assim conseguiu ingressar na Unicamp, um dos melhores institutos de educação do mundo, se formando, após alguns anos no curso de enfermagem.

Depois da formatura, ao som de canção da América de Milton Nascimento, Cida passa no concurso para trabalhar no Hospital das Clínicas da mesma instituição que estudou. Lá, na Unicamp, conseguiu um salário relativamente bom e condições para poder estudar os filhos.

Em sua casa, formou 4 professores e um mecânico. Inclusive, entre eles o administrador da página, que desenvolveu o hábito de leitura e alcançou a formação, em partes, pelo grande esforço dessa heroína.

Aparecida Donizete é figura comum na história do nosso país Uma mulher negra, pobre, que enfrentou as mais variadas dificuldades da vida de peito aberto e muita coragem.

Mas ser negro no país que mais escravizou seres humanos na história moderna, tem lá seus custos:

A grande dor da Cida é lembrar que seu pai, negro mineiro , após uma vida de trabalho, foi enterrado em um caixão cedido pela prefeitura da cidade à pessoas carentes. Pelo fato do genitor ter quase dois metros de altura e um peso considerável, o caixão fazia barulho e ameaçava quebrar(pois era de madeira barata). Lá, no meio do enterro, em um dos dias mais tristes de sua vida, ela percebeu que no Brasil o pobre e preto não tem direito nem a um enterro decente. As lágrimas e a emoção se misturavam com o medo da queda do corpo no chão e da violência simbólica que esse acontecimento poderia causar no último encontro entre pai e filha.

Atualmente Aparecida é aposentada e continua trabalhando, ajudando a instruir pessoas a tratamentos de saúde e cozinhando deliciosos doces e salgados para sua grande família.

Parabéns, Aparecida: mulher, negra e meu exemplo de vida.

Minha mãe e meu avô(Antônio), em 1985, no dia do primeiro casamento. A simplicidade do vestido e a felicidade no rosto dos dois, mostra quanta lutas eles travaram juntos para chegar próximos da dignidade, no país das injustiças.

Texto - Joel Paviotti
(Administrador da página ICONOGRAFIA DA HISTÓRIA)

Marco Florentino e Joel Paviotti
Enviado por Marco Florentino em 18/11/2019
Alterado em 18/11/2019


Comentários