CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Marco Florentino
Em prosa e verso
Textos

DIÁLOGO ENTRE PAI E FILHO - O CARÁTER DE ROSSEAU
DIÁLOGO ENTRE PAI E FILHO - O CARÁTER DE ROSSEAU

JEAN-JACQUES ROUSSEAU, QUE ESCREVEU SOBRE EDUCAÇÃO, ABANDONOU OS CINCO FILHOS EM UM ORFANATO.
(Famoso por seu tratado sobre criação de crianças chamado Emílio, o filósofo iluminista tem um episódio pouco conhecido em sua trajetória)

Por André Nogueira

Jean-Jacques Rousseau foi um dos mais importantes filósofos do iluminismo francês e um dos principais difusores das noções de liberdade e educação pública, em sua defesa republicana pela felicidade. Porém, conhecer Rousseau de perto pode nos levar a uma grande decepção.

Grande crítico das desigualdades, o escritor de um dos mais modernos contratos sociais da França também é famoso por sua obra Emílio, ou Da Educação, em que ele descreve as melhores maneiras de se criar uma criança a partir da lógica da Educação Negativa, ou seja, a manutenção e a proteção da natureza supostamente boa da criança, impedindo que a sociedade a corrompa.

No entanto, isso gera uma pulga atrás da orelha quando descobrimos que o mesmo Rousseau que escreveu sobre educação abandonou seus cinco filhos em orfanatos. Suas relações pessoais foram expostas na obra Confissões, onde descreve que viveu às custas de Françoise-Louise de Warens desde que saiu de casa. Ela era uma senhora enganada por falsas declarações de amor por parte de Rousseau.

Quando Françoise ficou sem dinheiro para sustentá-lo, o pensador a abandonou e fugiu com parte de seu dinheiro para Paris. Lá se apaixonou por Thérèse Levasseur, mãe de seus 5 filhos, que foram abandonados em um orfanato parisiense, supostamente para terem uma melhor criação.

Mais detalhes sobre essa faceta surpreendente de Jean-Jacques Rousseau podem ser encontradas em algumas biografias do filósofo, como a obra The Solitary Self: Jean-Jacques Rousseau in Exile and Adversity, de Maurice Cranston, ou Jean-Jacques Rousseau: Restless Genius, de Leo Damrosch.

Sabe-se que depois dessa jornada de abandono parental, Rousseau se apaixonou novamente, desta vez por Sophie d’Haudetot. Porém, durante uma briga, com pouco tempo de relação, Sophie declarou que ela não o queria mais vê-lo e ele não deveria mais procura-la.

Fraco e orgulhoso, Rousseau nunca aceitou a rejeição, tornando-se um velho amargo e solitário, que morreu aos 66 anos, mal visto pela sociedade e sem interação com as pessoas enquanto livros seus eram queimados em praça pública.

DIÁLOGO ENTRE PAI E FILHO (Comentários):

Marco Antônio Abreu Florentino:
A FALSIDADE TAMBÉM NA FILOSOFIA, PRESENTE NAQUELE QUE É CONSIDERADO UM DOS MAIS BRILHANTES PENSADORES DA HUMANIDADE.
Quem diria, não? O filósofo que afirmou com veemência que o homem nasce bom, sua natureza é boa e do bem, a sociedade é quem o corrompe, portanto, é necessário que o homem seja forte de caráter, não se deixando corromper em vida.
Pois, pois... sempre defendi Tomás Hobbes que, ao contrário de Rousseau, afirmava que a natureza do homem é perversa e egoísta... é o lobo do homem e só não se auto destrói devido às instâncias e instituições sociais que não deixam, sendo que para ele, a mais importante seria a monarquia (que também defendeu por interesse pessoal).
RESUMO DA ÓPERA: NÃO TEM JEITO PARA O SER HUMANO... É MAU, EGOÍSTA E FALSO (uns mais, outros menos, mas todos são) E PONTO FINAL.

GABRIEL FLORENTINO:
Rousseau é um dos maiores e mais relevantes teóricos da educação de crianças e jovens. O que ele fez em vida não muda esse fato.
Não é incomum encontrar filósofos que inventam e dividam ideias e não vivem conforme pensam.
Parecem, realmente, meros receptáculos de uma inteligência superior. As ideias de Rousseau continuam relevantes tanto como sempre foram.

MARCO ANTÔNIO ABREU FLORENTINO:
Concordo com Gabriel Florentino, porém permanece o fato de que é um falso e um hipócrita, e dos grandes, visto serem defeitos de caráter proporcionais à sua capacidade e grandeza intelectual.
Quanto à obra filosófica, literária ou qualquer outra obra de arte, continuo pensando a hermenêutica estética como há trinta anos atrás: seu valor é determinado pelos três elementos a saber: O autor (sua vida e forma de pensar), a obra em si mesmo e as interpretações externas oriundas de quem admira ou interpreta a obra.
Exemplo maior desta análise conceitual é o famoso caso de Han Van Meegeren, falsificador do pintor holandês Johannes Vermeer em sua obra ¨Os Peregrinos de Emaús¨, fazendo o museu acreditar que o referido quadro, que ele mesmo pintou, era um autêntico Vermeer e assim conseguindo vende-la por 540.000 florins (4,5 milhões de euros).
Ao se descobrir a falsificação confessada pelo próprio falsificador, a obra perdeu seu valor.
E então, deixou de ser bela? Deixou de ser admirada? Pelo que se constata, perdeu seu valor única e exclusivamente pelo fato de não ter sido pintada por Vermeer e, portanto, deixando a tríade incompleta.
Marco Florentino, Gabriel Florentino e André Nogueira
Enviado por Marco Florentino em 07/10/2019
Alterado em 02/02/2020


Comentários