CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Marco Florentino
Em prosa e verso
Textos

MENESTREL DA TERRA DOS BANDEIRANTES
MENESTREL DA TERRA DOS BANDEIRANTES

            Homenagem particular a Alberto Goldman, político paulista que participou ativamente do movimento estudantil à minha época, em 1978, quando iniciei medicina na Universidade Federal do Pará (UFPA) e participava do movimento estudantil contra a ditadura, já nos seus estertores no governo do Presidente João Batista Figueiredo.
            Lembro-me, como se fosse hoje, das nossas reuniões pelas madrugadas às escondidas nos porões dos antigos casarões da Av. Nazaré e Gov. José Malcher, juntamente com Darcy Ribeiro, no centro de Belém. À época, ele era deputado estadual pelo MDB e posteriormente PCB.  
            Apesar da sua trajetória política ter seguida pelo PSDB em caminhos pelos quais discordava, sempre mantive meu respeito pela sua coerência progressista e democrata.
            Vai em paz guerreiro da liberdade e da justiça social.

Marco Antônio Abreu Florentino

QUEM FOI ALBERTO GOLDMAN E COMO ELE RESISTIA AO NOVO PSDB
Letícia Arcoverde 01 Set 2019
            Ex-governador do estado de São Paulo e forte crítico ao projeto de João Doria, tucano morreu aos 81 anos
            O ex-governador de São Paulo Alberto Goldman (PSDB) morreu neste domingo (1), aos 81 anos. O político estava internado no Hospital Sírio Libanês, na capital paulista, desde 19 de agosto, quando foi submetido a uma cirurgia no cérebro.
            Goldman fazia tratamento para um câncer neuroendócrino na região cervical. Ele deixa a esposa, Deuzeni Trisoglio, cinco filhos e quatro netos.
            Vice-governador de José Serra (PSDB) na chapa eleita em 2006, Goldman assumiu o governo do estado de São Paulo entre abril e dezembro de 2010, quando Serra se afastou do cargo para concorrer à Presidência da República. Goldman também ocupou a secretaria de Desenvolvimento do estado durante a gestão de Serra.
            O tucano faz parte da ala histórica do PSDB. Foi vice-presidente do partido e membro da executiva da legenda. Chegou a ocupar a liderança nacional do partido durante um curto período em 2017, quando os tucanos já davam sinais da divisão que levou a sigla à sua reconfiguração e à ascensão do chamado “novo PSDB”, projeto do atual governador de São Paulo, João Doria.
            A trajetória política de Alberto Goldman Nascido em 12 de outubro de 1937, em São Paulo, Goldman se formou em engenharia civil pela Universidade de São Paulo e começou a militância política no PCB (Partido Comunista Brasileiro).
            Nascidos na Polônia em uma família judaica, seus pais cultivavam ideais marxistas. Sua carreira política começou durante a ditadura militar quando vigorava o bipartidarismo - existia a Arena, de apoio aos generais, e o MDB, a oposição autorizada.
            Goldman foi deputado estadual emedebista por dois mandatos em São Paulo, entre 1971 e 1978, ano em que foi eleito deputado federal. Em 1982, reelegeu-se pelo mesmo partido. Com a legalização do PCB em 1985, passou dois anos no partido comunista, período em que tentou sem sucesso nova candidatura à Câmara dos Deputados. Foi então que decidiu voltar ao MDB, partido que já tinha incorporado o “p” ao nome, rebatizando-se de PMDB.
            Entre 1992 e 1993, foi ministro dos Transportes no governo Itamar Franco (1992-1994). Em 1996 ingressou no PSDB, partido que havia sido criado por outros dissidentes do MDB ainda em 1988.
            Como tucano, foi eleito deputado federal em 1998 e 2002. Deixou o Congresso para concorrer como vice ao governo de São Paulo junto com Serra, o que o levou ao posto de governador em 2010.

https://youtu.be/lnG4tUWOojQ
(Menestrel das Alagoas - Milton Nascimento)
Marco Florentino e Letícia Arcoverde
Enviado por Marco Florentino em 02/09/2019
Alterado em 07/01/2020


Comentários